Teste caseiro promete detecção de HIV pelo smartphone, segundo pesquisadores

16-02hivÀ primeira vista, a pequena caixa de plástico não parece nada demais. Tem o tamanho de umsmartphone e um dispositivo de bombeamento operado mecanicamente.

Mas ela pode realizar grandes coisas, como prometem seus criadores norte-americanos. A promessa é de um diagnóstico seguro de infecção pelo HIV em apenas 15 minutos, sem uma fonte de alimentação externa ou qualquer outro equipamento de laboratório.

– Acreditamos que o dispositivo pode ser muito útil no diagnóstico do HIV, especialmente em áreas rurais, e que evite muitas transmissões do HIV – diz a pesquisadora Tassaneewan Laksanasopin, que participou do desenvolvimento do projeto.

O funcionamento parece simples. Uma pequena punção na ponta do dedo é suficiente para obter sangue suficiente para o exame. A gota é colocada num recipiente em que estão os reagentes, sensíveis a anticorpos específicos da doença.

O recipiente é empurrado para dentro de um cartucho de plástico, que é conectado a umsmartphone. Para levar o sangue à área de teste, só é necessária uma pressão sobre a bomba de borracha, que suga o sangue e produz um vácuo. Um chip, em seguida, lê os resultados da análise de anticorpos, e um aplicativo do smartphone os analisa. O diagnóstico, então, estará feito.

– É verdade que já existem outros métodos de teste acessíveis no mercado, mas eles muitas vezes oferecem resultados inconclusivos ou de difícil interpretação – ressalta Laksanasopin.

Os custos de material chegam a US$ 34 por peça, um milésimo do equipamento de laboratório necessário normalmente para tais diagnósticos. “O dispositivo pode ser reutilizado. Apenas o chip tem que ser substituído após cada exame”, frisa Laksanasopin.

Especialmente assistentes sociais poderiam usar o dispositivo em áreas rurais, para fornecerem rapidamente um diagnóstico confiável. Em temperatura ambiente, os reagentes podem durar até seis meses, um fator igualmente importante para o uso em países em desenvolvimento.

Precisão de quase 100%

A precisão do diagnóstico para HIV é, segundo a pesquisadora, próxima a 100%. O que é importante observar é o fato de que o valor se refere apenas à sensibilidade do teste. Ele indica o grau de precisão com que ele reconhece a infecção pelo HIV. Esta alta eficácia significa também, na prática, que ele pode levar a resultados falso-positivos.

– De 100 indivíduos, em média, oito recebem um falso diagnóstico, indicando que são soropositivos, embora isso não seja verdade – explica Laksanasopin. No caso de um diagnóstico positivo, são necessários, por isso, outros exames. Isso ocorre também com os testes caseiros de HIV já existentes.

Laksanasopin e sua equipe passaram oito anos pesquisando para produzir o novo método de diagnóstico. Mas até que ele entre no mercado, ainda vai levar mais alguns anos: “Até agora, nós já fizemos uma série de experimentos com 96 pessoas.”

Para levar o dispositivo ao mercado internacional, são necessários mais testes, além do reconhecimento pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

– Sei que o nosso teste pode ajudar muitas pessoas, depois que for aprovado. Quanto mais cedo as pessoas recebem um diagnóstico de infecção por HIV, mais cedo podem começar o tratamento. Isso ajuda, por exemplo, as mulheres grávidas a não passarem a doença para seu filho. Esta é a minha motivação – conclui Laksanasopin.

com DW – de Nova York, EUA

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *